Padre Fellinto
A Igreja no Brasil
 
 
14.Nov - Catequese do Papa Francisco sobre o oitavo Mandamento

Queridos irmãos e irmãs, bom dia! 


 


Na catequese de hoje enfrentaremos a Oitava Palavra do Decálogo: “Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo”. 


 


Este mandamento – diz o Catecismo – “proíbe falsear a verdade nas relações com os outros” (n. 2464). Viver de comunicações não autênticas é grave porque impede as relações e, portanto, impede o amor. Onde há mentira não há amor, não pode haver amor. E quando falamos de comunicação entre as pessoas entendemos não somente as palavras, mas também os gestos, as atitudes, até os silêncios e as ausências. Uma pessoa fala com tudo aquilo que é e que faz. Todos nós estamos em comunicação, sempre. Todos nós vivemos comunicando e estamos continuamente em frágil equilíbrio entre a verdade e a mentira. 


 


Mas o que significa dizer a verdade? Significa ser sincero? Ou exato? Na realidade, isso não basta, porque se pode ser sinceramente no erro, ou se pode ser precisos no detalhe mas não colher o sentido do conjunto. Às vezes nos justificamos dizendo: “Mas eu disse aquilo que vi!”. Sim, mas você absolutizou o teu ponto de vista. Ou então: “Somente disse a verdade!”. Pode ser, mas revelastes fatos pessoais ou reservados. Quantas fofocas destroem a comunhão por inoportunidade ou falta de delicadeza! Antes, as fofocas matam, e isso o disse o apóstolo Tiago na sua carta. O fofoqueiro, a fofoqueira, são pessoas que matam: matam os outros, porque a língua mata como uma faca. Estejam atentos! Um fofoqueiro ou uma fofoqueira é um terrorista, porque com a sua língua joga a bomba e vai embora tranquilo, mas o que diz aquela bomba lançada destrói a fama de outro. Não esquecer: fofocar é matar. 


 


Mas então: o que é a verdade? Esta é a pergunta feita por Pilatos, justamente enquanto Jesus, diante dele, realizava o oitavo mandamento (cfr Jo 18, 38). De fato, as palavras “Não levantarás falso testemunho contra o teu próximo” pertencem à linguagem jurídica. Os Evangelhos culminam no relato da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus; e isso é o relato de um processo, da execução da sentença e de uma inaudita consequência. 


 


Interrogado por Pilatos, Jesus diz: “Por isso eu nasci e por isso vim ao mundo: para dar testemunho da verdade” (Jo 18, 37). E este “testemunho” Jesus o dá com a sua paixão, com a sua morte. O evangelista Marcos narra que “o centurião, que se encontrava diante dele, tendo-o visto expirar daquele jeito, disse: Realmente este homem era Filho de Deus!” (15, 39). Sim, porque era coerente, foi coerente: com aquele seu modo de morrer, Jesus manifesta o Pai, o seu amor misericordioso e fiel. 


 


A verdade encontra a sua plena realização na própria pessoa de Jesus (cfr Jo 14, 6), no seu modo de viver e de morrer, fruto da sua relação com o Pai. Esta existência de filhos de Deus, Ele, ressuscitado, a doa também a nós enviando o Espírito Santo que é o Espírito de verdade, que confirma ao nosso coração que Deus é nosso Pai (cfr Rm 8, 16). 


 


Em cada ato seu o homem, as pessoas afirmam ou negam esta verdade. Das pequenas situações cotidianas às escolhas mais exigentes. Mas é a mesma lógica, sempre: aquela que os pais e os avós nos ensinam quando nos dizem para não dizer mentiras. 


 


Perguntemo-nos: qual verdade confirmam as obras de nós cristãos, as nossas palavras, as nossas escolhas? Cada um de nós pode se perguntar: eu sou testemunha da verdade, ou sou mais ou menos um mentiroso disfarçado de verdadeiro? Cada um se pergunte. Nós cristãos não somos homens e mulheres excepcionais. Somos, porém, filhos do Pai celeste, que é bom e não nos desilude, e coloca no nosso coração o amor pelos irmãos. Esta verdade não é dita tanto com os discursos, é um modo de existir, um modo de viver e se vê em cada ato singular (cfr Tg 2, 18). Este homem é um homem verdadeiro, aquela mulher é uma mulher verdadeira: se vê. Mas porque, se não abre a boca? Mas se comporta como verdadeiro, como verdadeira. Diz a verdade, age com a verdade. Um belo modo de viver para nós. 


 


A verdade é a revelação maravilhosa de Deus, da sua face de Pai, é o seu amor sem confins. Esta verdade corresponde à razão humana, mas a supera infinitamente, porque é um dom que desceu sobre a terra e encarnou em Cristo crucificado e ressuscitado; essa se torna visível por quem lhe pertence e mostra suas mesmas atitudes. 


 


Não levantar falso testemunho quer dizer viver como filho de Deus, que nunca, nunca se desmente, nunca diz mentiras; viver como filho de Deus, deixando emergir em cada ato a grande verdade: que Deus é Pai e podemos confiar Nele. Eu confio em Deus: esta é a grande verdade. Da nossa confiança em Deus, que é Pai e me ama, nos ama, nasce a minha verdade e o ser verdadeiro e não um mentiroso. 


Fonte: Canção Nova

Indique a um amigo
 
 
 

Copyright ©
Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/fellinto/public_html/index.php on line 204
2019 Padre Fellinto. Todos os direitos reservados.