Padre Fellinto
A Igreja no Brasil
 
 
07.Nov - Catequese do Papa Francisco sobre o sétimo Mandamento

Boletim da Santa Sé
Tradução: Jéssica Marçal (Canção Nova)


Queridos irmãos e irmãs, bom dia!


Continuando a explicação do Decálogo, hoje chegamos à sétima Palavra: “Não roubar”.


Escutando este mandamento, pensamos no tema do furto e a respeito da propriedade dos outros. Não existe cultura em que o furto e a prevaricação de bens sejam lícitos; a sensibilidade humana, de fato, é muito suscetível sobre a defesa da posse.


 


Mas vale a pena abrirmo-nos a uma leitura mais ampla desta Palavra, focalizando o tema da propriedade dos bens à luz da sabedoria cristã.


 


Na doutrina social da Igreja, fala-se de destinação universal dos bens. O que significa? Escutemos o que diz o Catecismo: “No começo, Deus confiou a terra e seus recursos à administração comum da humanidade para que cuidasse dela, a dominasse por seu trabalho e dela desfrutasse. Os bens da criação são destinados a todo o gênero humano” (n. 2402). E ainda: “A destinação universal dos bens continua primordial, mesmo se a promoção do bem comum exige o respeito pela propriedade privada, pelo respectivo direito e exercício” (n. 2403). [1]


 


A Providência, porém, não dispôs um mundo “em série”, há diferenças, condições diversas, culturas diversas, assim se pode viver provendo uns aos outros. O mundo é rico de recursos para assegurar a todos os bens primários. Ainda assim muitos vivem em uma escandalosa indigência e os recursos, usados sem critério, vão se deteriorando. Mas o mundo é um só! A humanidade é uma só! [2] A riqueza do mundo hoje está nas mãos da minoria, de poucos, e a pobreza, aliás, a miséria e o sofrimento, de tantos, da maioria


 


Se sobre a terra há a fome não é porque falta o alimento! Antes, pelas exigências do mercado se chega às vezes a destrui-lo, se joga. O que falta é uma livre e vislumbrante ação empresarial, que assegure uma adequada produção, e uma empostação solidária, que assegure uma distribuição justa. Diz ainda o Catecismo: “Usando aqueles bens, o homem que possui legitimamente as coisas materiais não as deve ter só como próprias dele, mas também como comuns, no sentido de que elas possam ser úteis não somente a ele, mas também aos outros” (n. 2404). Toda riqueza, para ser boa, deve ter uma dimensão social.


 


Nesta perspectiva, aparece o significado positivo e amplo do mandamento “não roubar”. “A propriedade de um bem faz de seu detentor um administrador da Providência” (ibid). Ninguém é dono absoluto dos bens: é um administrador dos bens. A posse é uma responsabilidade: “Mas, eu sou rico de tudo…” – esta é uma responsabilidade que você tem. E todo bem subtraído à lógica da Providência de Deus é traído, é traído em seu sentido mais profundo. Aquilo que eu possuo verdadeiramente é aquilo que sei doar. Esta é a medida para avaliar como eu consigo gerir as riquezas, se bem ou mal; esta palavra é importante: aquilo que possuo verdadeiramente é aquilo que sei doar. Se eu sei doar, sou aberto, então sou rico não somente naquilo que eu possuo, mas também na generosidade, generosidade também como um dever de dar a riqueza, para que todos participem. De fato, se não consigo doar algo é porque aquela coisa me possui, tem poder sobre mim e sou escravo. A posse dos bens é uma ocasião para multiplicá-los com criatividade e usá-los com generosidade e, assim, crescer na caridade e na liberdade. 
O próprio Cristo, mesmo sendo Deus, “não se prevaleceu de sua igualdade com Deus, mas aniquilou-se a si mesmo” (Fil 2, 6-7) e nos enriqueceu com a sua pobreza (cfr 2 Cor 8,9).


 


Enquanto a humanidade se aflige para ter mais, Deus a redime fazendo-se pobre: aquele Homem Crucificado pagou por todos um resgate inestimável da parte de Deus Pai, “rico de misericórdia” (Ef 2,4; cfr Gc 5,11). O que nos faz ricos não são os bens, mas o amor. Tantas vezes ouvimos o que o povo de Deus diz: “O diabo entra pelo bolso”. Começa-se com o amor pelo dinheiro, a fome de possuir; depois a vaidade: “Ah, eu sou rico e me orgulho”; e, por fim, o orgulho e a soberba. Este é o modo de agir do diabo em nós. Mas a porta de entrada são os bolsos.


 


Queridos irmãos e irmãs, ainda uma vez Jesus Cristo nos revela o sentido pleno das Escrituras. “Não roubar” quer dizer: ame com os teus bens, aproveite dos teus meios para amar como pode. Então a sua vida se torna boa e a possa se torna verdadeiramente um dom. Porque a vida não é o tempo para possuir, mas para amar. Obrigada.


______________________________


[1] Cfr Encíclica Laudato si’, 67: “Cada comunidade pode tomar da bondade da terra aquilo de que necessita para a sua sobrevivência, mas tem também o dever de a proteger e garantir a continuidade da sua fertilidade para as gerações futuras. Em última análise, «ao Senhor pertence a terra» (Sl 24/23, 1), a Ele pertence «a terra e tudo o que nela existe» (Dt 10, 14). Por isso, Deus proíbe-nos toda a pretensão de posse absoluta: «Nenhuma terra será vendida definitivamente, porque a terra pertence-Me, e vós sois apenas estrangeiros e meus hóspedes» (Lv 25, 23).


[2] Cfr S. Paulo VI, Enc. Populorum progressio, 17: “Mas cada homem é membro da sociedade: pertence à humanidade inteira. Não é apenas tal ou tal homem; são todos os homens, que são chamados a este pleno desenvolvimento. […] Herdeiros das gerações passadas e beneficiários do trabalho dos nossos contemporâneos, temos obrigações para com todos, e não podemos desinteressar-nos dos que virão depois de nós aumentar o círculo da família humana. A solidariedade universal é para nós não só um fato e um beneficio, mas também um dever”.


Fonte: Canção Nova

Indique a um amigo
 
 
 

Copyright ©
Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/fellinto/public_html/index.php on line 204
2019 Padre Fellinto. Todos os direitos reservados.