Padre Fellinto
A Igreja no Brasil
 
 
13.Dez - O templo de Deus foi duplamente violado, diz padre em Missa por falecidos em Campinas

Na tarde de quarta-feira, foi celebrada uma Missa em sufrágio das almas dos féis falecidos no atentado na Catedral de Campinas (SP); durante a celebração, o pároco, Mons. Rafael Capelato, lamentou que “o templo de Deus foi duplamente violado”.


 


“Ontem (terça-feira), a tristeza se abateu sobre todos nós pelo pecado da violência e da morte. A Igreja mãe de Campinas chora seus filhos mortos. O templo de Deus foi duplamente violado. Sim, no templo sagrado que é a pessoa humana, ferida de morte como foi. E o templo sagrado desta Igreja, nossa Catedral, que se tornou cenário de violência”, expressou o sacerdote em sua homilia.


 


No início da Missa, concelebrada por diversos sacerdotes da Arquidiocese de Campinas, Mons. Rafael conduziu o Rito de Desagravo, realizado sempre que uma igreja é violada.


 


Como explicou a Arquidiocese em seu site, este “rito penitencial tem como objetivo reparar a injúria feita à igreja, sendo considerados os crimes e delitos não só que constituem ofensa grave aos sagrados ministérios, como os que ofendem gravemente a dignidade do homem e da sociedade humana”.


 


A Celebração Eucarística contou com a participação de um grande número de fiéis que, conforme assinalou Mons. Rafael, se reuniram “para suplicar a Deus o perdão, a misericórdia, a paz” e para “manifestarmos uns aos outros a solidariedade de nossos corações, a força da fraternidade e do amor”.


 


O pároco recordou que, no mesmo momento em que era celebrada a Santa Missa na Catedral, as vítimas do tiroteio estavam sendo veladas e logo seriam sepultadas em diferentes cemitérios da cidade. “E lá também está presente a nossa Arquidiocese, rezando com os familiares; os padres se organizaram para estar presente junto com as famílias também numa rede bonita de solidariedade, de amor, de testemunho da vida em Cristo”, afirmou.


 


De acordo com a Arquidiocese de Campinas, o Administrador Diocesano, Mons. José Eduardo Meschiatti, levou a presença da Igreja ao cemitério dos Amarais, onde duas das vítimas foram veladas, tendo estado presente também Pe. Antonio Alves e Pe. Manoel Messias Pereira Martins, que celebrou as exéquias.


 


Por sua vez, Pe. Geraldo Correa levou a presença da Igreja ao cemitério do Flamboyan; e  Pe. Odair Costa Nogueira, ao cemitério Parque das Flores. Enquanto isso, Pe. Eduardo Fráguas celebrou Missa de corpo presente no cemitério de Monte Mor, onde uma das vítimas foi sepultada.


 


A quinta vítima fatal deste atentado veio a falecer na tarde de terça-feira, no Hospital Mário Gatti, onde estava internada.


 


 


Oração e solidariedade


 


Em sua homilia, Mons. Rafael também dirigiu algumas palavras aos familiares das vítimas e aos feridos. “Estamos todos sofrendo com vocês. Nesta hora, busquemos apoiar-nos na oração e na solidariedade. Sei que vocês choram. Estamos chorando também nós. Mas, o Senhor Jesus é nossa força e, com Ele, venceremos a dor, o mau e a morte”.


 


Em seguida, o sacerdote ressaltou “a certeza de nossa participação no mistério da Cruz e da ressurreição do Senhor, no qual temos o perdão, a remissão de todos os pecados, no qual temos a paz e a vida renovada no amor”.


 


“O que nos resta agora, meus irmãos e irmãs? Resta-nos suplicar a Deus a sua misericórdia por todos. Misericórdia, Senhor, de todos os que tombaram por este chão sagrado, culpado, se assim considerarmos, e inocentes. Misericórdia, Senhor, de todos os que sofrem, os familiares e amigos. Misericórdia, Senhor, de todos os feridos e dos abalados pelo desespero. Misericórdia, Senhor, de todos nós”, completou.


 


O presbítero, então, exortou a clamar “ao céu, neste tempo de serena expectativa pelo Senhor: Vem, Senhor Jesus! Vinde, ó Príncipe da Paz. Vinde trazer-nos o consolo e a paz”.


 


Em relação à Catedral, assinalou, é um espaço “consagrado à vida, às coisas de Deus. E assim continuará a ser. O espaço da paz e da vida, da dignidade humana e da fraternidade, da justiça e do amor. Espaço de acolhimento de cada pessoa humana. Espaço medicinal, de cura para uma sociedade enferma em razão dos desequilíbrios materiais e espirituais”.


 


Por fim, o pároco pediu que a Imaculada Conceição, a quem è dedicada a Catedral de Campina, “interceda por nós, para que nos mantenhamos em pé, como Ele esteve diante da Cruz de seu Filho”.


Fonte: ACI Digital

Indique a um amigo
 
 
 

Copyright ©
Warning: date(): It is not safe to rely on the system's timezone settings. You are *required* to use the date.timezone setting or the date_default_timezone_set() function. In case you used any of those methods and you are still getting this warning, you most likely misspelled the timezone identifier. We selected the timezone 'UTC' for now, but please set date.timezone to select your timezone. in /home/fellinto/public_html/index.php on line 204
2019 Padre Fellinto. Todos os direitos reservados.